segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Christophe Astolfi - Entrevista


Respeitado guitarrista e educador da cena do jazz parisiense, Christophe Astolfi, já dividiu o palco com Philip Caterine, Toots Thielemans, Rodolph Rafaeli, David Reinhardt, Samy Daussat, Bireli Lagrene, Stochelo Rosenberg, Didier Lockwood entre outros. É diretor da importante escola de jazz manouche de Paris "La Chop des Puces" templo do jazz manouche. Astolfi ressalta a importância de conhecer a  essência do jazz manouche tanto em termos musicais quanto culturais. 


E N T R E V I S T A  com  C H R I S T O P H E  A S T O L F I

* Entrevista exclusiva para o blog Guitarra Manouche


Quantos anos você começou a tocar?

C.A - Comecei a tocar as 12 anos na minha aldeia em Lorena, uma comunidade italiana da qual faço parte, comecei me apresentar aos 13 anos e aos 17 me tornei profissional.


Quais são suas influências?

C.A - Django Reinhardt, Baro, Matelo et Boulou Ferré. Joe Pass, Kenny Dorham, Maurice Ravel, Carlo Gesualdo, Pink Floyd, Jimi Hendrix e canções francesas de antes e depois da guerra


Como é a cena da música gypsy jazz na sua cidade?

C.A - A cena musical parisiense é muito desenvolvida e podemos encontrar muitos músicos muito bons, mas acho que infelizmente a competição e a atmosfera muito tensa da cidade de Paris forçam os músicos a desenvolver um design "efetivo" e " rentável"da música. O que vai contra a criação artística. Muitos músicos tocam seus instrumentos muito bem, mas poucos deles adquirem uma identidade real, pelo menos de acordo com a minha percepção.

Qual guitarra e cordas você prefere?

C.A - Jacques Favino 1973, Jean-Pierre Favino de 1999 e Cyril Gaffiero de 2018.Sou endorser das cordas Savarez / Argentine e uso as medidas 10-46.


Quais são seus projetos futuros?

C.A - Vou lançar um álbum no dia 01 de dezembro, estou preparando uma série de vídeos educativos que serão transmitidos na internet e estou investindo para popularizar e crescer a escola de jazz manouche no Chope de Puces.


Que mensagem você pode deixar para os guitarristas que estão começando nesse estilo?

C.A - A mensagem que gostaria de transmitir aos neófitos é a seguinte: penso que não devemos nos prender à noção de "estilo", mas sim ressoar mais em termos de música e sensibilidade. O termo "jazz cigano" apareceu entre meados de 1980 e início de 1990 e tem sido predominante para fins comerciais por pessoas que não eram ciganos. Desde a década de 2000 esta música é estereotipada e a intenção de jovens músicos é para copiar seus ídolos. Quando eu comecei a tocar essa cópia de música era muito desaprovada e era considerado plágio. Esta música é uma música de poetas, de espírito rigoroso mas livre ... não é para competição. Convido a nova geração a ter um profundo interesse pela tradição desta música, as gravações certamente, mas também os costumes sociais que fazem parte dela para entender seu profundo significado. Também o convido a desenvolver o discurso musical em vez da técnica, a promover a expressão artística e a criar o seu próprio caminho. Permanecer sempre humilde e grato à música, porque para aqueles que a praticam é um presente que deve ser honrado. Bom caminho para vocês!





Nenhum comentário:

Postar um comentário