segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Paulus Schäfer - Entrevista

Nascido em 1978 é hoje um dos mais talentosos guitarristas de Gypsy Jazz da Holanda. Nascido em uma comunidade holandesa de Sinti (cigano), ele aprendeu a tocar violão muito cedo. Paulus lançou seu álbum de estréia Into the Light.em 2002 e depois disso gravou outros e fez participação em álbuns de diversos artistas. Frequentemente divide o palco com outros músicos como: The Rosenberg Trio, Biréli Lagrène, Stochelo Rosenberg, Al Di Miola, Fapy Lafertin, Stephane Wrembel, Jimmy Rosenberg, Tim Kliphuis, Feigeli Prisor, Andreas Öberg. , Olli Soikkeli, Gonzalo Bergara, Gaguenetti Ritary, Jan Kuiper, Jan Akkerman, Damir Kukuruzović etc. 
 
Paulus tem um estilo particular, fácil de reconhecer, e embora todos os álbuns de Paulus sejam fiéis a um som distinto de Gipsy Jazz / Swing; Paulus está sempre procurando um novo som moderno. Não apenas para ampliar seus próprios horizontes, mas também para um som mais representativo do Jazz Gipsy para o século XXI.


E N T R E V I S T A  com  P A U L U S  S C H A F E R 

* Entrevista exclusiva para o blog Guitarra Manouche



Quantos anos você começou a tocar?

P.S - Parece que nasci com uma guitarra nas minhas mãos. Eu acho que eu tinha 5-6 anos eu estava
seriamente tocando guitarra. Com a idade de 7 anos eu pude tocar minha primeira música "Dark Eyes". Meus irmãos mais velhos tocam violão, meu pai toca violino, minha mãe e minhas irmãs cantam e estou naturalmente envolvido na música pela vida familiar. Então eu nasci com música; era inevitável. É como respirar, você não pensa isso acontece. Na nossa comunidade, você simplesmente cresce com um movimento cigano. Há sim música todos os dias. É um processo contínuo; Você constantemente tenta melhorar o seu jogo.Você ouve músicas do Django Reinhardts: LPs, cassetes de música, e você pratica, prática, prática… Não estudamos no conservatório. É ensinado de pai para filho, tio ao sobrinho. Minha família é a inspiração que minha família é de fato a essência da
swing cigano. E Django Reinhardt também era cigano (Sinti).


Quais são suas influências?

P.S - Eu te disse que é o nosso modo de vida. Principalmente um grande guitarrista e professor do Sinti Wasso Grünholz influenciou nosso desenvolvimento musical. Eu escutei ele tocando em sua
caravana, ouvindo as mais belas melodias. Então eu corri para a nossa própria caravana e
tentou copiar o que ouvi. Claro, muitas vezes eu assisti ele jogar e também, eu perguntei a ele
muitas questões. Eu não precisava de motivação externa. Para minha família e para mim fazendo
a música é um dado. É uma forma de felicidade que você simplesmente não pode evitar. O mais importante foi o dia que Wasso disse: "Agora eu quero ouvir Paulus!" Ele me estimulou a encontrar meu próprio estilo.
Stochelo Rosenberg abriu as portas para o mundo com sua música, e ele nos mostrou que o estilo de jazz cigano holandês está sendo apreciado em todos os lugares. Isso me encorajou a também me colocar lá fora e começar minha própria banda. É também assim que Mozes Rosenberg encontrou seu caminho para o jazz. Claro, seu irmão mundialmente famoso Stochelo Rosenberg também foi uma grande inspiração e professor.


Qual guitarra e cordas você prefere?

P.S - Todas as minhas guitarras são feitas à mão por um Luthier. Hoje em dia estou tocando na minha guitarra do JWC construir por Jeongwoo Cho. Para mim, é importante que o luthier tenha projetado o braço do instrumento aos meus desejos especiais. Claro, você conversa várias vezes com ele para fazer isso e, claro, deve ter um som quente. Eu joguei AJL e eu tenho uma guitarra feita por
Vadim Stankevicius. Eu estou sempre tocando com cordas de Galli.


Quais são seus projetos futuros ?

P. S - Nós apenas olhamos para hoje; amanhã é outro dia. Vamos ver onde estaremos jogando então. Nós, todos nós, somos modestos quando pensamos nisso. O que as pessoas lembram não de nós, mas nossa música. Atualmente estou tocando com meu próprio trio com Jacco van Santen (saxofone) no Djangofollies em Bruxelas, Dominique Paats (acordeão) no Royal Opera House em Mumbai, Nicola Giammarinaro (Clarinete) Fete de la Musique Toulouse França e Django Festival em Estocolmo , Tim Kliphuis (violino) no Daejeon Guitar Festival Korea. Etc
É divertido tocar em uma banda: Paulus Schäfer / Joost Zoeteman Quartet, Five Great Guitars - um projeto cigano africano. Com o Olli Soikelli da Finlândia, estou tocando no Hot Club d'Europe. Em maio deste ano, temos um concerto no Khamoro Roma Festival em Praga. Quase todos os meses eu organizo Paulus convida com músicos incríveis como Stochelo, Mozes e Johnny Rosenberg, Olli Soikelli, Trio Rosenberg, Eddy Conard, Koen de Cauter, Dario Napoli Trio, Dominique Paats, Trio Tim Kliphuis, Três “o” Trommelen, Jan Kuiper, Herbie Guldenaar, Thomas Baggerman e Eva sur Seine, Tim Welvaars, etc.
Todos os anos organizamos Sinti Jazz Guitar Camp com participantes de todo o mundo: Austrália, EUA, Reino Unido, Espanha, Itália, Noruega, República Checa, etc. Parece que minha vida atual é um projeto total.




Como é a cena do gypsy jazz na sua cidade?

P.S - Minha família mora em Nuenen, uma pequena aldeia no sul da Holanda, mas o coração do jazz cigano bate aqui muitos e muitos anos. Aqui vivem Waso, Stochelo, Mozes, Johnny, Feigeli e muitos outros guitarristas de destaque. Nuenen é a capital mundial do jazz cigano! Nós organizamos aqui Paulus convida, Sinti Jazz Guitar Camp e todas as noites você ouve a música que vem das caravanas no acampamento cigano.




Que mensagem você pode deixar para os guitarristas que estão começando em neste estilo?

P.S - É importante ter paciência e praticar muito, brincar juntos e improvisar. Não tenha medo de cometer um erro, porque é disso que você aprende. Não desista da prática e, especialmente, faça isso com prazer. Fazer música é divertido!









Nenhum comentário:

Postar um comentário