segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Dario Napoli - Entrevista



Dario Napoli guitarrista italiano de maior destaque na cena do jazz manouche, responsável pelas (quase) impossíveis transcrições de Bireli Lagrene, desenvolve diversos parcerias dividindo o palco com grandes nomes do jazz manouche, além de estimular a didática do estilo com propriedade, promove anualmente o Guitar Camp "Under the Toscan Sun".   
Apesar de Django Reinhardt ser a principal inspiração por trás do trio, em seu Modern Manouche Project, Dario Napoli procura incluir influências mais contemporâneas em sua versão do gypsy swing, introduzindo elementos de estilos musicais mais modernos, como bebop, funk e jazz moderno. O resultado é um som imprevisível e exuberante, que rouba várias eras musicais levando você através de uma rica e vibrante experiência sonora, sem nunca abandonar totalmente a marca cigana do Django. A maioria das músicas são composições originais de Dario com algumas reinterpretações de padrões de jazz ou pop de diferentes épocas.  


E N T R E V I S T A  com  D A R I O   N A P O L I


* Entrevista exclusiva para o blog Guitarra Manouche


Quantos anos você começou a tocar?

D.N - Eu comecei a brincar com o violão aos 8 anos, e tocar mais seriamente em torno de 12 anos.


Quais são suas influências?

D.N - Comecei com o blues de Eric Clapton e BB King. Os Beatles, é claro, Jimi Hendrix e Stevie Ray Vaughn, mas também Sting and the Police, então eu me apaixonei por Rock, Joe Satriani Steve Vai, Nuno Bettencourt, eles realmente me incentivaram a ser paciente e desenvolver uma estratégia para tentar melhorar o violão. Por volta de 15 anos comecei a ouvir relutantemente Wes Montgomery, George Benson, Pat Metheny, Jimmy Raney, Tal Farlow, Frank Gambale e os grandes do jazz graças a um professor que eu tinha e logo comecei a apreciar e a estudar o estilo. Depois de algum tempo, me apaixonei e tentei entender a linguagem e os estilos. Eu tinha escutado Django aqui e ali, mas a revolução para ele veio depois do show de 2001 de Bireli Lagrene no Jazz a Vienne, que mudou totalmente minha vida. Depois disso, comecei a ouvir Django com muito mais cuidado e me apaixonei totalmente pelo estilo, assim como os mais modernos, principalmente Bireli e Stochelo. Isso me levou a viajar para a Holanda, Alemanha e França e passar um tempo com alguns ótimos mentores como Fapy Lafertin e Wawau Adler para realmente aprender o estilo direto com os sucessores de Django.

Qual guitarra e cordas você prefere?

D.N - Depois de experimentar todas, minhas cordas favoritas são as cordas Optima para guitarra gypsy jazz, com as quais eu me sinto muito feliz por ter um relacionamento profissional agora. No momento estou tocando com um violão JWC Catania Swing Model "F holes", sou um grande fã dessa guitarra, graças ao meu amigo do Reino Unido, Conor French. Eu também jogo archtops e tenho um Gibson L5, com este eu jogo com cordas Thomastik.


Quais são seus projetos futuros?

D.N - Com a minha banda, o Dario Napoli Modern Manouche Project, farei uma turne de 16 shows em novembro no Reino Unido que terminará com um show do Django Legacy na Filarmônica de Liverpool. Em janeiro, também tocaremos Django Amsterdam Fest e Djangofollies Festival, na Holanda e Bélgica, e gravaremos um 4º CD solo na Holanda. Estamos batalhando uma nova tour no Brasil com meu amigo e maestro de guitarra Mauro Albert, apresentado os 2 álbuns que gravamos em duo. Eu também realizo um "Guitar Camp" de de jazz cigano “Under the Tuscan Sun” na Toscana todos os anos, com de 4 dias de imersão total com participantes de todo o mundo.


Como é a cena da música gypsy jazz na sua cidade?

D.N - Eu me mudei para Milão cerca de um ano atrás, então ainda estou descobrindo muito sobre a cena. Mas há várias bandas e interesse nesse estilo de música, como mostrado na primeira edição deste ano do Festival de Django de Milão. O estilo da música certamente cresceu nos últimos 10 anos em toda a Itália.


Que mensagem você pode deixar para os guitarristas que estão começando nesse estilo?

D.N - Na minha experiência, ouvir principalmente o Django e depois todos os grandes músicos que ele inspirou é muito importante. Esta é uma música que é preciso aprender de ouvido e capturar a linguagem repetindo. Eu também acho importante passar um tempo com os ciganos, fazer amizade com eles e aprender a incrível quantidade de detalhes que entra no estilo, tanto mecanicamente em termos de técnica quanto em termos de fraseado, e ouvir e ver tudo de perto é vital. É fácil pensar a princípio que o estilo é simples, especialmente se alguém só ouve gravações, mas quando você ouve bons guitarristas ao vivo, percebe que há uma infinidade de sutilezas. A paciência é uma necessidade absoluta, porque se você está vindo do rock, metal ou blues, você provavelmente terá que revolucionar sua técnica de palhetada na mão direita, bem como as digitações da mão esquerda e isso leva tempo.







Nenhum comentário:

Postar um comentário